Valores culturais

Está aqui

Na nova concepção, que ganha terreno dia a dia no que diz respeito aos objectivos gerais que deve alcançar qualquer espaço natural protegido, a sustentabilidade considera-se hoje um objectivo básico a ter em conta em qualquer planeamento para desenvolver face à velha ideia que primou durante uma grande parte do século XX de converter estas áreas em autênticos santuários naturais.

É por isso que a aproximação à realidade socioeconómica do território, a sua análise e evolução esperada no tempo, axuntadas ao conhecimento dos valores naturais e patrimoniais do território, devem marcar as tendências no planeamento do espaço e a posterior execução dos projectos, contemplados não aisladamente senão globalmente, baixo a premisa de que qualquer acção de conservação e defesa da natureza nestas áreas deve complementar-se com a posta em marcha de acções para a melhora da qualidade de vida dos seus moradores, ajudando à fixação da povoação, a procura de novas alternativas, a conservação dos núcleos rurais históricos, a defesa e conservação do património histórico-artístico e genético, a preservação da paisagem e da biodiversidade resultante da acção do homem sobre estes ecosistemas, ou a elevação do grau de autoestima e a conscienciação da povoação local pela defesa do seu património natural e cultural, entre muitos outros.

O Património Cultural é expoñente, testemunho e depositario da memória colectiva de cada povo. A sua função social excede amplamente o interesse científico para converter-se num ponto de reflexão sobre o nosso comportamento no passado, em canto constitui o legado ou suporte material de umas atitudes das diversas comunidades históricas que povoaram um território, que nós herdamos: a nossa forma de pensar, os nossos conhecimentos actuais, as nossas relações com o meio que nos rodeia são o resultado da combinação dos comportamentos das diversas etapas que nos precederam.

Na Galiza, através da Lei 8/1985, de 30 de outubro, expõem-se que o Património Cultural, resultado da evolução cultural específica da Galiza, necessita ser protegido e conservado ao amparo da Lei de Património Cultural da Galiza. O território que se pretende declarar como Reserva da Biosfera, é um espaço de ocupação humana antiga, hoje #careta de identidade de um passado cultural e natural em vias de extinção.

Na Reserva da biosfera, pode-se considerar a riqueza de um extenso património cultural, fiel reflexo dos nossos antepassados, em numerosas construções que ainda hoje perduran, e em muitas outras que foram desaparecendo ao longo da história, ficando-nos o seu legado inmaterial.